OTSUKI YUJI



  • Séries: Tsuioku no Joukei, Turning Point
  • Apelido: Nenhum.
  • Data de nascimento: 19 de maio de 1980.
  • Signo chinês: Macaco.
  • Tipo sangüíneo: B+
  • Amaterasu: 1991 a 1998
    Matérias favoritas: Fisiologia, Cultura Nashi atae.
  • Clubes: Kendô, artes marciais, tênis.
  • Hobbies: jogar tênis, cozinhar, namorar.
  • Cidade: Kyoto.

  • Filho de uma família quase toda nashi atae, Yuji foi colega de Maho e Tetsu no templo em Kyoto, sendo muitas vezes o alvo escolhido pela médium para suas brincadeiras – especialmente porque o garoto nunca sabia quando abrir a boca e sempre falava o que pensava sem notar as conseqüências. Sincero, alegre, guloso; Yuji é também um bom cozinheiro, visto ter crescido cercado pelo mundo da culinária (seus pais têm um restaurante tradicional bastante popular em Kyoto) – embora costume dizer que seu talento culinário é fator mais forte que o ambiente em que cresceu. Quem prova o que o moreno faz normalmente não discorda.

    Quando criança, Yuji era ainda mais hiperativo, tendo enorme dificuldade para aquietar-se. Seus pais pediram que ajudasse no restaurante e, ainda que ele tenha sinceramente tentado, não conseguia aquietar-se o suficiente para não quebrar alguma coisa – quer fisicamente, quer com magia, quando se descobriu bruxo. Sua irmã mais nova, fisioterapeuta desportiva, sugeriu tênis (esporte favorito de Fumi) e passou a treiná-lo desde então. O garoto gosta tanto do esporte que, em seu último ano na escola, fundou o clube de tênis, do qual se tornou buchou. Foi nele que conheceu Kazuya e Natsuo, duas figuras bem interessantes que atiçam sua curiosidade pelo jeito particular de cada um e pela interação entre os dois.

    Da trupe da época do templo, foi o único que não se especializou em exorcismos, preferindo aplicações mágicas e nashi atae da alquimia, matéria bastante útil a um cozinheiro, pois planeja continuar o negócio de seus pais. Sua namorada, Satou Otome, adora saborear os pratos que Yuji prepara, pois ela se considera um desastre na cozinha, e sempre diz que o garoto tem futuro no ramo. Aliás, o moreno não perde uma chance de estar com a garota, pois é loucamente apaixonado por ela, sendo um de seus objetivos poder preparar qualquer prato que sua amada requeira.

    FAMILIARES

    Pais


  • Otsuki Fujimaru: O pai de Yuji é um grande chefe de cozinha. Tem como lema: “Onaka ippai de, monku iwanaide” (“De barriga cheia, ninguém esperneia”), frase que criou observando seus clientes. É gentil e atencioso, mas sabe quando ser rigoroso também... exceto com os filhos, o que talvez explique a falta de noção de Fumi, Yuji e Satsuki. Não gosta de perder tempo ou de desperdícios, qualquer que seja, especialmente em seu restaurante. O que ele mais preza são os momentos en famille, mormente se estiverem em algum ambiente aquático.

  • Otsuki Mitsuki: A mãe de Yuji talvez seja a única pessoa capaz de controlar o garoto, ainda que sem elevar a voz. É bastante gentil e trabalhadora, adora a família e adora cozinhar, mas odeia lavar e limpar a bagunça que fica depois, razão pela qual Fujimaru sempre encerra o expediente da cozinha no restaurante, enquanto ela fecha o caixa com alguns funcionários. Foi ela quem primeiro ensinou Yuji os truques da culinária

    Irmãs


  • Otsuki Fumi: É a mais velha das crianças Otsuki e catorze anos mais velha que o irmão. Detesta matemática com todo seu ser, mas é alucinada por biologia. Expressiva e imprevisível, pode mudar de opinião, indo de um oposto a outro, em segundos. É do tipo que pode passar horas e horas observando uma pétala pelo simples prazer de estudá-la. Aos vinte e três anos, formou-se fisioterapeuta e trabalha em um pequeno hospital, na área de recuperação pós-cirúrgica. Outra grande paixão são esportes em geral, especificamente o tênis, esporte que aprendeu na faculdade (cadeira de fisioterapia desportiva). Quando ainda era estudante, ensinou-o a Yuji, no intuito de direcionar o excesso de energia do garoto.

  • Otsuki Satsuki: É a caçula dos Otsuki e é cinco anos mais nova que o irmão. Alegre e descontraída, vive discutindo com ele, mas a verdade é que adora Yuji, e garoto sabe. Prova disso é que a menina nunca é vista sem o coelhinho branquinho de pelúcia que ganhou em seu aniversário de seis anos, presente do irmão.



    Avós Paternos


  • Otsuki Hijou e Manami: Pais de Fujimaru, Sonomi e Riki. Assim como a maioria dos casais Otsuki, dificilmente discordam entre si. Normalmente um já sabe o que o outro está pensando, e têm a interna e eterna competição de tentar concretizar a idéia antes que o outro o faça, por pura diversão. Quando jovens, mudaram-se para Kyoto, ele de Tóquio e ela de Nagasaki, pouco antes do fim da 2ª Guerra Mundial. Eram voluntários durante a guerra e ajudaram muitos desabrigados, época em que se conheceram e casaram-se, abrindo o primeiro restaurante depois da paz. Normalmente são calmos quando estão juntos, mas a partir do momento em que se separam, cada um parece outra pessoa. Por isso, Sonomi costuma dizer que tem quatro pais. Por escolha dos filhos, não sabem da existência do mundo bruxo, não porque seriam contra, mas porque com certeza iriam importunar as crianças para exibirem suas habilidades mágicas

    Avós Maternos


  • Garashimaki Gohara e Mizuki: São os pais de Mitsuki. Gohara deu à única filha o mesmo nome de sua esposa, mudando apenas a leitura, simbolizando seu desejo de que a menina vivesse também pela mãe, a qual morreu logo após dar a luz, aos dezenove anos. Ganhava a vida passando o dia em casa pintando seus quadros, os quais eram revendidos em um pequeno ateliê no centro da cidade. Suas folgas durante o dia eram apenas para cozinhar e para brincar com a filha, à tarde, quando esta voltava da escola e terminava as tarefas da escola. Quando Mizuki fez oito anos, logo aprendeu a dominar a arte da culinária. A partir de então, fazia de tudo para aliviar a carga do pai em casa. Morreu logo após o casamento da filha, com um sorriso no rosto e murmurando o nome da esposa. Nunca soube da existência do mundo bruxo, embora acreditasse em magia.

    Tios


  • Sagano Sonomi: É irmã caçula de Fujimaru. Mora em Tóquio e foi a única de sua geração da família que não se profissionalizou em algum ramo culinário. É repórter de jornal televisivo, sempre cobrindo matérias perigosas ou de alta adrenalina, o que deixa seus pais à beira da loucura. Desde criança, sempre gostou de esportes radicais, mas não chega nem perto de um fogão. Seu marido, Sagano Onomaru, é seu cameraman. Juntos, já cobriram, por exemplo, o terremoto que abalou Asahikawa em 1998. Não sabem sobre o mundo bruxo e não têm filhos, pois a profissão não lhes permite criá-los decentemente.

  • Otsuki Riki: É irmão mais velho de Fujimaru. De curto temperamento, mora em Tóquio com sua esposa, Otsuki Yuzu, que é mais esquentada ainda. Curiosamente, viviam mudando de apartamento porque os vizinhos não agüentavam as discussões diárias do casal, chegando inclusive a chamarem a polícia em diversas ocasiões. Por esse motivo, resolveram comprar uma casa em um bairro menos populoso. Ele é um dos cozinheiros de um restaurante francês e ela é engenheira de trânsito. Ainda que nem sempre se lembrem, são os pais de Sae, a única outra bruxa da família, e Hiroto.

    Primos


  • Otsuki Sae: Por ter crescido em um ambiente onde todo dia havia discussões, ainda que seus pais tentassem disfarçar em frente às crianças, é também esquentada e apta a discutir sobre qualquer coisa, mesmo sabendo que não tem razão ou que não entenda bulhufas do assunto. Aprendeu a cozinhar com o pai quando o acompanhava ao restaurante. Era a buchou do clube de culinária de Amaterasu, um dos poucos lugares em que se acalmava, até se formar em 1997, matriculando-se em uma escola de culinária, onde pretende aperfeiçoar sua técnica nashi atae antes de trabalhar no ramo. É um ano mais velha que Yuji e dá-se bem com o primo, apesar de só terem em comum os poderes mágicos, os avós e o gosto pela culinária.

  • Otsuki Hiroto: Três anos mais novo que Sae, morre de inveja dos poderes mágicos de sua irmã e por isso vive pegando no pé dela. Interessante é que, pelo mesmo motivo, admira Yuji. Quando pequenos, os dois meninos estavam sempre juntos perturbando a mais velha, escondendo as coisas da garota ou enchendo-a de perguntas que ela não queria responder. É piromaníaco, uma constante dor de cabeça para os pais e para Sae, os quais acreditam piamente que seja apenas uma fase e que, um dia, Hiroto descobrirá onde esqueceu o seu juízo.

    voltar. | avançar.